Devo fazer um Plano de Saúde Completo ou Coparticipativo??

Para facilitar a adesão a um plano de saúde, decidimos criar alguns artigos citando dicas para contratação de plano de saúde, atendendo o perfil de cada pessoa.

Uma das questões que requer maior atenção, é decidir em fazer o plano de saúde completo ou co-participativo. O plano de saúde co-participativo no papel sempre é a melhor opção, porém a realidade nem sempre é essa. Podem ocorrer dois fatores para criar insatisfação.

  1. Utilizar o plano de saúde e não ter condições de pagar a fatura, devido ao acréscimo decorrente das coparticipações, ou pagar e ter um desequilíbrio financeiro.
  2. Deixar de utilizar o plano de saúde, receoso do pagamento das co-participações.

Antes de se decidir, faça uma simulação com um dos nossos consultores, considerando que existem planos de saúde sem coparticipações com preços similares a um plano coparticipativo de outras operadoras.

Segue algumas orientações e dicas para definir qual a melhor opção para o seu perfil. Se precisar de auxilio de um consultor, estaremos à disposição.

Na hora de decidir em fazer um plano de saúde, a maioria das pessoas decidem pelo o menor valor, sendo que, pagar menos nem sempre é sinal de economia. Vários planos de saúde possuem opções de planos completos e coparticipavos, sendo que os planos coparticipavo são mais baratos, porém são cobrados coparticipações sobre os procedimentos realizados.

Planos de Saúde coparticipativos

Os planos de saúde atualmente cobram coparticipação em todos os procedimentos, divididos da seguinte maneira; consultas médicas (todas especialidades), exames simples, exames especializados e internações.

Consultas médicas – Será cobrado o valor por consulta, lembrando que o retorno no prazo de 30 dias não deverá ser cobrado coparticipação.

Exames simples – Os exames simples são os que requer maior atenção, lembrando que os exames simples são cobrados por exame e não por coleta, se você fizer uma coleta de sangue, isso não quer dizer que irá pagar o valor referente a um exame. Através de uma coleta poderá ser feito vários tipos de exames, como por exemplo: hemograma, triglicerídios, Colesterol, Glicose, TSH, etc. Geralmente em um check-up básico é necessário fazer em torno de 10 a 15 exames simples.

Exames especializado – Os exames especializados são cobrados por exame e fica mais fácil o controle, caso precise por exemplo de uma tomografia computadorizada, será cobrado o valor referente a um exame especializado.

Internações – É o mesmo caso dos exames especializados, será cobrado o valor da coparticipação referente a internação, indiferente se a internação for de um dia ou dez dias. Não será cobrado coparticipações sobre os exames realizados em regime de internação.

Planos de Saúde Completos (sem coparticipação)

Não poderá ser cobrado nenhum tipo de coparticipação.

Nessa hora o papel do consultor de vendas é fundamental, ele poderá identificar a melhor opção dentro da sua necessidade.

Para as operadoras de planos de saúde a melhor opção de comercialização são os planos coparticipavos, sendo que para o usuários, nem sempre essa é a melhor opção. Antes de decidir devemos analisar as seguintes questões;

No geral, a primeira coisa a fazer é colocar na ponta do lápis, saber a diferença de custo mensal e multiplicar por doze (1 ano), ai teremos a “economia” em um ano. Após feito isso, temos que fazer uma estimativa de utilização de consultas rotineiras, check-up e até mesmo atendimento de urgência, faça as contas das coparticipações que serão pagas no período.

Pronto, você terá uma noção se vale a pena contratar um plano coparticipativo. Se a diferença for considerável, vale a pena contratar um coparticipativo, agora se a diferença for pequena, não convém correr o risco de gastar um valor muito maior.

Segue algumas dicas para avaliação de contratação

  • Plano de saúde para crianças – Para crianças é inviável fazer o plano coparticipavo, se formos analisar a diferença de custo entre os planos e os valores cobrados de coparticipação, vamos observar que não vale a pena, principalmente para recém nascidos e crianças até 03 anos, no qual a tendência de utilização é bem maior.
  • Plano de saúde para homens – A natureza dos homem é ir menos ao médico para fazer check up (claro que sempre tem suas exceções), para esse tipo de caso a melhor opção é o plano coparticipavo.
  • Plano de saúde para mulheres – As mulheres são mais cuidadosas e utilizam o plano de saúde com mais frequência para fazer os exames preventivos, com isso será necessário fazer os cálculos, pegando como base as utilizações dos anos anteriores. No geral, caso não tenha nenhum outro problema de saúde e não esteja programando engravidar, vale a pena fazer o plano coparticipativo.
  • Plano de saúde familiar – Quanto maior o valor do plano de saúde, maior será a diferença de custos. Se nenhuma pessoa da familiar estiver com problema de saúde, com certeza a melhor opção será o plano co-participativo. Dica – se tiver um filho recém nascido, faça o plano de saúde completo para o mesmo.

Obs.: Caso a melhor opção de contratação seja o plano de saúde coparticipativo, não seja pego de surpresa, mantenha sempre uma reserva prudente para eventuais gastos. As cobranças de coparticipações não podem se tornar um fator inibidor.

52comentrios para “Devo fazer um Plano de Saúde Completo ou Coparticipativo??”

  1. Rota Seguros disse:

    Bom dia, Nilza.

    Esta informação você conseguirá apenas na Central de Atendimento Vitallis: 3014-3002

    Agradecemos sua pergunta.

  2. Nilza do Carmo Eloi disse:

    Nilza
    Contagem,13 de Setembro de 2016

    Boa Noite,
    Gostaria de saber qual o valor cobrado para cada seção de radioterapia,estou em tratamento de cancer,fiz dezenove seçoes de Radio,meu plano é Vitallis co-participativo,recebi um boleto no valor de R$2.400,00 referente a este tratamento é correto?Este valor somente Radio porque total é de R$2.752,00.
    Se possivel gostaria de uma resposta.
    Obrigada.

Deixe um comentário

↑ Ir para o topo ↑